Cancro: Tumor do ovário mata 3 em cada cem mil por ano

30/08/2010 at 12:34 pm Deixe um comentário

O inimigo silencioso das mulheres

Embora com baixa incidência, o cancro do ovário é o mais letal entre os tumores ginecológicos. Em Portugal, a taxa de mortalidade ascende, anualmente, a três em cada cem mil mulheres.

  • 29 Agosto 2010

 

Por:Iisabel Ramos

O diagnóstico não é, habitualmente, precoce, pois é um cancro agressivo, que progride para os demais órgãos muito rapidamente. O principal motivo de esperança reside no desenvolvimento de medicamentos que garantam o aumento da sobrevida das doentes.

“Enquanto outros tumores passam por fases pré-cancerosas e se vão desenvolvendo ao longo do tempo, o do ovário não”, sublinha o director do serviço de Ginecologia do Instituto Português de Oncologia de Coimbra, Daniel Pereira da Silva, adiantando: “Trata-se de um cancro extremamente agressivo, do qual não se conhece a história natural com exactidão e que se de-senvolve de uma forma explosiva”. Neste caso, de pouco vale à mulher fazer ecografias. “Pode fazê-la hoje e estar tudo normal e três meses depois ter um cancro no ovário. É tudo muito rápido”, considera. Mulheres a partir dos 40 ou 45 anos e em pós-menopausa são as mais susceptíveis, mas este tipo de cancro pode surgir em qualquer idade.

É recomendada vigilância mais apertada em famílias cuja incidência deste tumor, ou de outros que lhe estão associados – mama, por exemplo – seja elevada, pois sabe–se que, existindo mutações de determinados genes, a probabilidade de aparecimento do cancro do ovário é superior a 50 por cento. Nestas circunstâncias, a mulher pode diminuir a probabilidade de vir a ter a doença retirando antecipadamente os dois ovários. Sobre o novo tratamento para este cancro, trabectedina, aprovado no mês passado pelo Infarmed, Pereira da Silva sublinha que permite aumentar a sobrevida das doentes em sete meses. “A trabectedina é uma alternativa interessante, pois há ganhos em termos de sobrevivência com menor toxicidade”, referiu.

O MEU CASO: MARIA FELIZARDA

“SENTIA-ME CANSADA E TINHA TOSSE”

Parecia ser apenas uma gripe. Maria Felizarda tinha 60 anos e sentia-se “cansada e tinha muita tosse”. No Centro de Saúde de Armamar receitaram-lhe antibiótico. Não resultou. Maria recorreu então ao Hospital de Lamego. “Descobriram que tinha líquido no pulmão. Fiquei internada para que mo retirassem”, recorda ao CM. Por descobrir, estava a origem da acumulação de líquido.

No Instituto Português de Oncologia do Porto foi-lhe diagnosticado cancro do ovário. “Nunca pensei que aquilo que tinha no pulmão pudesse estar relacionado com os ovários”, admite Maria, dois anos depois.

Entretanto, foi operada – “tiraram-me tudo” – e sujeita a tratamentos de quimioterapia. Onze meses após o primeiro tratamento, os exames médicos revelaram reincidência do tumor. Maria repetiu o tratamento. Meio ano depois, o cancro voltou. Neste momento, Maria Felizarda faz quimioterapia uma vez por mês. “O tratamento é diferente. Dura duas horas, quando no início eram seis.” Quanto ao cabelo, diz que “fica fraco mas não cai”.

Fonte: Correio da Manhã

Entry filed under: Noticias Nacionais, Ovários. Tags: .

Peso a mais na gravidez agrava risco de obesidade MENOPAUSA Vs ANDROPAUSA – MANIFESTAÇÕES INICIAIS DA VELHICE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


NOVO! Projeto Criar Mundos de Igualdade Agir e Convergir para Mudar

Fotos do Projecto Saúde da Mulher - Construir a Igualdade

Mais fotos

Objectivos do Projecto

Informar e sensibilizar a opinião pública, junto de organizações de mulheres, orgãos de comunicação social e demais entidades da sociedade civil, sobre aspectos da saúde da mulher.

Divulgação de informações sobre aspectos de saúde sexual e reprodutiva da mulher.

Promoção de uma sexualidade saudável e responsável.

Promover os direitos da mulher grávida (maternidade e paternidade).

Combater a violência sexual baseada em questões de género.

Promoção de cuidados perinatais.

Promoção da educação sexual.

MDM Évora

Exposições do Movimento Democrático de Mulheres disponíveis para empréstimo

https://mdmevora.files.wordpress.com/2012/11/exposic3a7c3b5es-do-movimento-democrc3a1tico-de-mulheres-disponc3adveis-para-emprc3a9stimos.pdf

Mapa de Évora – Apoio a vítimas de Violência Doméstica e locais onde apresentar queixa

Mapa de Arraiolos – Apoio a vítimas de Violência Doméstica e locais onde apresentar queixa

Mapa de Montemor-o-Novo – Apoio a vítimas de Violência Doméstica e locais onde apresentar queixa

Número Verde

Linha SOS IMIGRANTE

DVD – “De mãos dadas com o medo”

 Filme que aborda questões relacionadas com a violência no namoro e que foi realizado no âmbito do projecto “Participar, Partilhar a Igualdade”, que  foi premiado, em 2007, no âmbito do Ano Europeu da Igualdade, como o melhor trabalho nesta área realizado no Distrito de Aveiro

Linha Cancro

Sexualidade em Linha

Rastreio do cancro do colo do útero no Alentejo

Linha Sida

São objectivos gerais da Coordenação Nacional da Infecção VIH/SIDA:

Saúde 24

A Linha Saúde 24 é uma iniciativa do Ministério da Saúde que visa responder às necessidades manifestadas pelos cidadãos em matéria de saúde, contribuindo para ampliar e melhorar a acessibilidade aos serviços e racionalizar a utilização dos recursos existentes através do encaminhamento dos Utentes para as instituições integradas no Serviço Nacional de Saúde mais adequadas.

Financiamento

Saúde da Mulher – Mês a Mês

Agosto 2010
M T W T F S S
« Jul   Set »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 8 outros seguidores

Facebook do Projecto Saúde da Mulher -Construir a Igualdade


%d bloggers like this: