Uma pulseira electrónica dá segurança à vítima?

26/11/2010 at 11:40 am 1 comentário

Dia Internacional da Eliminação da Violência contra as Mulheres

25.11.2010 – 09:04 Por Ana Cristina Pereira

Portugal tem 21 pulseiras a afastar agressores. O dispositivo aumenta o grau de protecção da vítima, mas não a salvaguarda.

Há vítimas que desligam o pager e o sistema deixa de funcionar 

A medida figura no III Plano Nacional para a Violência Doméstica que agora termina. E com vagar está a sair do papel. Neste momento, 21 agressores sujeitos a medida judicial de afastamento usam pulseira electrónica. Se um agressor desrespeita a ordem, a vítima recebe um sinal de radiofrequência no pager que deve levar para todo o lado. Podem estar descansadas?

Avaliação global só no fim do programa experimental, que arrancou há quase um ano e se estenderá por outro no Porto e em Coimbra. O Ministério da Justiça admite eventuais reajustes, mas atribui-lhe uma nota positiva em matéria de “eficácia e eficiência”.

Pouco a pouco, o programa tem sido alargado a outras zonas do país. Évora, por exemplo, já usa. E Lisboa já pediu. A amostra, todavia, permanece reduzida. Os tribunais aplicaram apenas 26 vezes este dispositivo – 24 como medida de coacção, uma na fase de suspensão provisória do processo, outra como pena acessória. “Até ao momento, não houve incidentes”, garante, por email, o porta-voz do Ministério da Justiça.

A captação do sinal de rádio frequência é variável. Nos testes feitos antes de tudo começar, o alarme soou entre os 30 e os 500 metros, consoante as barreiras naturais. Dentro de um edifício, o sinal disparava, quando uma das partes estava no 6.º andar e a outra no 2.º.

Suficiente? “A pulseira aumenta a protecção da vítima, mas não é uma panaceia”, avisa a procuradora Aurora Rodrigues, da Associação Portuguesa de Mulheres Juristas. “Se o agressor quer matar, tira a pulseira e ninguém percebe”, enfatiza. Não há um alerta a soar numa central, como na prisão domiciliária. Prevaricações descobrem-se apenas ao fazer a supervisão.

“Só a prisão garante que o agressor não vai fazer mal à vítima”, vinca Paula Garcia, procuradora do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Coimbra. Ter noção das limitações do dispositivo parece-lhe importante, não vá a vítima baixar a guarda, arriscar comportamentos que de outro modo não arriscaria – como sair de casa sozinha.

Aurora Rodrigues aponta outro risco: “O agressor pode ir criando ansiedade na vítima.” Basta-lhe, com frequência, aproximar-se, accionar o alarme, afastar-se. Isso também pode acontecer sem querer. Paula Garcia lembra-se de uma vítima que mora numa zona alta de Coimbra e ouve o alarme tocar sempre que o agressor passa numa estrada na zona baixa.

Quem desrespeita a ordem de afastamento pode sofrer consequências. O tribunal pode agravar a medida de coacção, avançar para a prisão. E essa ameaça servirá para refrear instintos.

Há um ponto de partida favorável. Ninguém pode ser obrigado a usar a pulseira. Fernanda Alves, do DIAP de Lisboa, guarda na memória o caso de um arguido que disse logo que não a queria e para quem foi requerida prisão preventiva: “No interrogatório percebe-se se interiorizou a gravidade dos seus actos e se está disposto a aceitar a medida.” Paula Garcia conta o caso de outro que temia prevaricar e queria a pulseira para aumentar o autocontrolo.

A vítima também tem de concordar. E também pode não ser colaborante. Pode desligar o pager ao sentir-se incomodada por andar na rua com um aparelho que, de repente, começa a tocar. Nalguns sítios, o sinal pode perder-se ou o silêncio pode impor-se – um teatro, um cinema, uma igreja. Aurora Rodrigues lembra-se de uma que boicotou a medida: “Deixava o pager em casa e encontrava-se com o agressor.” “A violência doméstica é um crime com características muito específicas. As vítimas são muito ambivalentes”, sublinha Paula Garcia.

Acertos a fazer? Na opinião de Aurora Rodrigues, “não tem muito sentido” a pulseira depender do consentimento do arguido. Muito menos do de quem com ele vive. Parece-lhe ser este um reflexo do “excesso garantístico que a legislação confere aos arguidos e não às vítimas de crime”. “Há uma desculpabilização, uma confiança excessiva na regeneração automática destes agressores”, avalia. “A forma mais eficaz de actuar na violência doméstica é intervir nos agressores para eles alterarem o seu comportamento”, corrobora Paula Garcia. “O agressor tem de sentir que procedeu mal. E, por regra, a vítima não quer a condenação, quer que altere o comportamento, que pare de agredir. Em Coimbra, há articulação entre saúde, justiça, social. Fizemos esse investimento de, sem descurar a protecção da vítima, trabalhar na recuperação do agressor. E não temos tido mortes.”

Pulseiras dos EUA têm GPS

Portugal comprou apenas 50 dispositivos electrónicos para manter afastados agressores de violência doméstica. O Governo admite vir a optar por outra tecnologia, se assim o recomendar a avaliação final do projecto-piloto. E dá como exemplo a pulseira com GPS integrado. É esse o modelo que está a ser aplicado há anos nos Estados Unidos em indivíduos de alto risco: se o agressor se aproxima, a polícia local é avisada ao mesmo tempo que a vítima, encurtando o tempo de resposta. Há quem diga que é preciso ir mais a montante. “Há pouco investimento na avaliação de risco na fonte”, indica a procuradora Fátima Alves, do Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa. “A avaliação que se faz nas polícias é fraca. A vítima é atendida em qualquer posto e quem a atende preenche um formulário. Às vezes, termina a dizer que não há necessidade de intervenção urgente e essa avaliação entra em contradição com o que disse antes. E a queixa demora algum tempo a passar para o serviço especializado.”

Fonte: Público

Entry filed under: Violência Doméstica. Tags: .

Pulseira electrónica alargada a todo o país nos casos de violência doméstica APRESENTAÇÃO DO LIVRO «MULHERES CORTICEIRAS»

1 Comentário Add your own

  • 1. Centro Solidariedade e Cultura de Peniche  |  23/02/2011 às 6:30 pm

    Temos um lar de Idosos. Os nosso idosos tem aitonomia para sair do lar. Gostariamos de poder controlar os seus passeios e poder ter noticia de qualquer situação de perigo que lhes aconteça. Pensamos na hipotese de haver umas pulseiras com GPS.
    Ficamos gratos por qualquer informação sobre existência do equipamento e preço.
    Pel’ A Direcção
    João Barradas

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


NOVO! Projeto Criar Mundos de Igualdade Agir e Convergir para Mudar

Fotos do Projecto Saúde da Mulher - Construir a Igualdade

Mais fotos

Objectivos do Projecto

Informar e sensibilizar a opinião pública, junto de organizações de mulheres, orgãos de comunicação social e demais entidades da sociedade civil, sobre aspectos da saúde da mulher.

Divulgação de informações sobre aspectos de saúde sexual e reprodutiva da mulher.

Promoção de uma sexualidade saudável e responsável.

Promover os direitos da mulher grávida (maternidade e paternidade).

Combater a violência sexual baseada em questões de género.

Promoção de cuidados perinatais.

Promoção da educação sexual.

MDM Évora

Exposições do Movimento Democrático de Mulheres disponíveis para empréstimo

https://mdmevora.files.wordpress.com/2012/11/exposic3a7c3b5es-do-movimento-democrc3a1tico-de-mulheres-disponc3adveis-para-emprc3a9stimos.pdf

Mapa de Évora – Apoio a vítimas de Violência Doméstica e locais onde apresentar queixa

Mapa de Arraiolos – Apoio a vítimas de Violência Doméstica e locais onde apresentar queixa

Mapa de Montemor-o-Novo – Apoio a vítimas de Violência Doméstica e locais onde apresentar queixa

Número Verde

Linha SOS IMIGRANTE

DVD – “De mãos dadas com o medo”

 Filme que aborda questões relacionadas com a violência no namoro e que foi realizado no âmbito do projecto “Participar, Partilhar a Igualdade”, que  foi premiado, em 2007, no âmbito do Ano Europeu da Igualdade, como o melhor trabalho nesta área realizado no Distrito de Aveiro

Linha Cancro

Sexualidade em Linha

Rastreio do cancro do colo do útero no Alentejo

Linha Sida

São objectivos gerais da Coordenação Nacional da Infecção VIH/SIDA:

Saúde 24

A Linha Saúde 24 é uma iniciativa do Ministério da Saúde que visa responder às necessidades manifestadas pelos cidadãos em matéria de saúde, contribuindo para ampliar e melhorar a acessibilidade aos serviços e racionalizar a utilização dos recursos existentes através do encaminhamento dos Utentes para as instituições integradas no Serviço Nacional de Saúde mais adequadas.

Financiamento

Saúde da Mulher – Mês a Mês

Novembro 2010
M T W T F S S
« Out   Dez »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 8 outros seguidores

Facebook do Projecto Saúde da Mulher -Construir a Igualdade


%d bloggers like this: